sábado, julho 27, 2019

Empresas movidas por IA


Empresas movidas por IA



IA está remodelando negócios em ritmo modesto
IA já orienta decisões dos seus concorrentes
Tecnologias que possibilitam IA avançam a passos largos
Estimativa de alto investimento na próxima década
Mesmo assim apenas 8% das empresas adotam de forma generalizada IA e analytics. Focam apenas em projetos-pilotos ad hoc ou em apenas um único processo de negócio. Geralmente por barreiras culturais e organizacionais.
How to:

Para escalar a IA, as empresas devem promover três mudanças:




  1. Do trabalho em silos à colaboração interdisciplinar.
    Impacto maior quando desenvolvida por equipes multifuncionais com ampla variedade de habilidades e perspectivas. Comercial e operação tem que trabalhar lado a lado com especialistas de analytics. Quando equipes de desenvolvimento envolvem os usuários finais no projeto de aplicativos, as chances de adoção de IA aumentam drasticamente.
  2. Da tomada de decisão conduzida pelo líder com base na experiência à tomada de decisão na linha de frente com base em dados.
    Pessoas de todos os níveis precisam confiar nas sugestões dos algorítimos e se sentir fortalecidas para tomada de decisão, nada de top-down. Se os funcionários tiverem de consultar um superior antes de agir, isso inibirá o uso de IA.
  3. Da rigidez e aversão ao risco para a mentalidade ágil, experimental e adaptável.
    Não espere que uma ideia esteja 100% elaborada com todos os detalhes prontos antes de ser aplicada. Reduza o medo do fracasso, veja os erros como fontes de descobertas, obtenha feedbacks antecipados dos usuários e incorpore a próxima versão, isso reduz o risco de problemas futuros e financeiramente dispendiosos. Essa mentalidade vai permitir que pequenas equipes de IA criem MVPs em questões de semanas, em vez de meses.

Preparando o terreno


Como nem todas as empresas nascem digitais, é preciso remover algumas objeções comuns quando falamos de automação e inteligencia artificial, pois o medo de que a IA roube empregos aumenta a resistência dos funcionários a ela.

Como remover as principais objeções

  1. Apresentar uma visão que una todos a um objetivo comum e como eles se encaixam em uma nova cultura orientada pela IA, se adaptando ao uso e não serem substituídos por ela.
  2. Mostrando que existe uma ameaça com a transformação digital dos concorrentes e como a IA pode ajudá-los a se defender, melhorando a eficiência operacional e a capacidade de resposta da empresa — um grito de guerra na luta pela sobrevivência e o papel fundamental dos funcionários.
  3. Compartilhar visão, destacar os funcionários que pilotarem ferramentas novas de IA que ajudam a otimizar os resultados e aumento de receita. Isso inspira outros funcionários a imaginar como aumentar e elevar seus desempenhos.
  4. Antecipe barreiras à mudança. Alguns obstáculos, como o medo dos funcionários de se tornarem obsoletos, são comuns nas empresas. Mas a cultura de determinada empresa pode ter características peculiares que aumentam a resistência. Por exemplo, se os gestores de relacionamento de uma empresa se orgulham de estar sintonizados com o cliente, podem rejeitar a noção de que uma máquina tenha ideias melhores do que eles e ignorar as recomendações personalizadas de produtos da ferramenta de IA. E gestores em grandes empresas que acreditam que seu status é baseado no número de pessoas que eles supervisionam podem se opor à tomada de decisão descentralizada ou à redução de subordinados permitidos pela IA.
  5. Usar especialistas, os tradutores de analytics para ajudar na identificação de obstáculos. Essas pessoas fazem a ponte entre o pessoal dos negócios — marketing, cadeia de suprimentos, manufatura, riscos e assim por diante — e os engenheiros de dados e cientistas da área técnica. Os tradutores ajudam a garantir que os aplicativos de IA desenvolvidos atendam às necessidades comerciais e que a adoção ocorra sem problemas. No início do processo de implementação, eles podem pesquisar usuários finais, observar seus hábitos e estudar workflows para diagnosticar e corrigir problemas.

Segundo pesquisa realizada pelo McKinsey, quase 90% das empresas que adotaram práticas bem-sucedidas de aumento de escala gastaram mais de metade de seus orçamentos de analytics em atividades que impulsionaram a adoção, como reelaboração do workflow, comunicação e treinamento.



Fiz essa resenha baseada na matéria “Como construir uma empresa movida pela IA” da edição de julho da revista HBR, escrita por Tim Fountaine, Brian McCarthy e Tamim Saleh, se quiserem aprofundar mais no assunto de como organizar sua empresa por IA entre em contato!

terça-feira, novembro 28, 2017

Validar Contas Bancárias

Pra quem tem problemas para validar contas bancárias, ai vai uma boa dica em C#

 https://github.com/neperz/ValidarContaBancariaBR
  [TestMethod()]
        public void BancoDoBrasilCheckNumberCalculatorTest()
        {
            var nCodBanco = "070";

            var nAgencia = "057";
            var dvAgencia = "";

            var nConta = "032830";
            var dvConta = "6";

            var ValidadorDeConta = new BankAccount();
            ContaBanco contaBanco = new ContaBanco
            {
                accountCheckNumber = dvConta,
                accountNumber = nConta,
                agencyCheckNumber = dvAgencia,
                agencyNumber = nAgencia,
                bankNumber = nCodBanco
            };
            var nb = ValidadorDeConta.validate(contaBanco);

         
            Assert.AreEqual(true, nb.valido);

        }

terça-feira, outubro 11, 2016

High stakes

High stakes, esse termo reflete bem o que tenho passado nessa fase da minha vida.

Virei vegano, mudei completamente minha alimentação e a forma como encaro tudo que como.

Criei rituais matinais como sorrir no espelho de cócoras, tomar suco de limão com casca e sal do Himalaia e tomo café com óleo de coco e uma colher de sopa de manteiga!

Comecei a meditar todo dia pela manhã e estou começando a escrever sobre a fases da minha própria vida com técnicas de storytelling de 3 atos, tramas, clímax, viradas de jogo, desfechos etc.


Não sou totalmente responsável pelas minhas atuais experiências, confesso que escolhi algumas pessoas como mentores e estou provando de cada técnica para tentar chegar na opção mais adequada com a estrada que estou criando.
Não sei aonde vai terminar essa jornada mas sei que me sinto melhor do que eu era antes.



terça-feira, fevereiro 24, 2015

Termo de abertura do projeto – Ferramentas,Técnicas e Saídas

De posse dos documentos e informações listadas no post anterior sobre o termo de abertura, podemos partir para as ferramentas e técnicas para desenvolver o termo de abertura.
Uma das ferramentas indicadas neste processo é chamada de “Opinião Especializada”, esta ferramenta é citada em 28 dos 47 processos e basicamente se trata do resultado de consultas individuais ou em formato de painel por meio de discursões de grupo, pesquisa de opinião e ou contratação de consultoria externa para ajuda no desenvolvimento do termo, ou seja, faça o que você faz de melhor, terceirize o resto.
A segunda ferramenta indicada pelo PMI para composição do termo de abertura são as Técnicas de facilitação, são as técnicas usadas para tornar as reuniões mais eficientes, deixando claro o objetivo da reunião, mantendo o foco para atender o objetivo, estimulando a participação e garantindo que as decisões tomadas estejam coerentemente documentadas e executadas.
O Básico da estrutura do Termo de Abertura seria:
  • Título do projeto;
  • Resumo das condições que definem o projeto (introdução);
  • Nome do gerente do projeto e suas responsabilidades e autoridades;
  • Necessidades básicas do trabalho a ser realizado;
  • Descrição do produto do projeto;
  • Cronograma Básico do Projeto;
  • Estimativas iniciais de custo;
  • Necessidades iniciais de recursos;
  • Necessidade de suporte pela organização;
  • Controle e gerenciamento das informações do projeto;
  • Aprovações com assinatura do executivo responsável pelo documento (elemento externo ao projeto)
Modelo de Termo de abertura:

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Integração – 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto - Entradas

O termo de abertura do projeto é na minha visão é o documento que autoriza o projeto, é um documento que basicamente vai conter um conjunto de dúvidas, questões e colocações, desejos do patrocinador sobre o projeto e que só vão ser detalhadas/respondidas pela equipe e pelo gerente de projeto na declaração do escopo. No decorrer do projeto muitas fases começam a depender uma da outra e a ordem em que isso ocorre pode não ter uma regra forte, como a mudança de um plano durante a execução por meio dos controles e monitoramento, porem o termo de abertura é único e não costuma se alterado durante as outras fases, é dado como o primeiro passo para o início do projeto.
Neste resumo vou falar um pouco sobre as principais fontes de informação para a confecção do termo de abertura ou seja, a Especificação do trabalho do projeto, Business case, regras e restrições Contratuais, fatores ambientais da empresa e os ativos de processos organizacionais.
A Especificação do trabalho do projeto é a descrição dos produtos ou serviços que serão fornecidos pelo projeto. Para projetos internos, o indicador ou patrocinador do projeto fornece esse documento com base nas necessidades de negócios e requisitos. Para projetos externos a especificação do trabalho do projeto pode ser recebida do cliente como parte de um documento de licitação. Deve constar no documento “Necessidade de negócios” e “Descrição do escopo”. Este documento deve fornecer informação suficiente para o vendedor criar e especificar uma proposta comercial.
Modelo do documento de Especificação do trabalho do projeto: http://escritoriodeprojetos.com.br/SharedFiles/Download.aspx?pageid=18&mid=24&fileid=73
Outra entrada para a construção do termo de abertura é um documento chamado Business case, este documento deve fornecer as informações necessárias do ponto de vista de um negócio, para determinar se o projeto justifica ou não o investimento. Deve conter a necessidade de negócios e a análise de custo benefício para justificar o projeto.
Modelo: http://escritoriodeprojetos.com.br/SharedFiles/Download.aspx?pageid=18&mid=24&fileid=17
Acordos/contratos, se aplica quando o projeto está atrelado a algum acordo contratual existente, são requisitos, termos e condições que devem ser acatadas no projeto.
Fatores Ambientas, estrutura organizacional, capacidade de recursos humanos, e as próprias políticas estabelecidas por um eventual Escritório de Projetos, bases de riscos, concorrentes, regulamentações, padrões de indústria, políticas governamentais, marketing e qual quer outro item que esteja atrelado ao ambiente onde o projeto deve se desenvolver.
Ativos de processos organizacionais, são políticas, procedimentos, modelos, principais projetos, portais de intranet, documentos de projetos anteriores, lições aprendidas e todo e qual quer documento existente na empresa que tenha alguma utilidade no projeto.
O termo de abertura do projeto é apenas a ponta do iceberg no guia do PMI, ao todo são 47 processos, cada um com suas entradas ferramentas e saídas, no próximo post vou dissecar as ferramentas para construção do termo de abertura e comentar um pouco sobre a estrutura do documento. Até breve.
*Os links contidos neste post são de autoria do site http://escritoriodeprojetos.com.br uma boa fonte de estudo sobre o tema!

sexta-feira, fevereiro 13, 2015

Gerenciamento de Projetos

Sobre o Gerenciamento de Projetos




Estou as voltas com uma matéria de muito apreço que pude ter contato em meu curso de pós graduação e em alguns anos conduzindo projetos de TI, o Gerenciamento de Projetos.
Durante este ano de 2015 muito provavelmente terei novos desafios envolvendo o tema. Aproveito o momento oportuno para usar este espaço para criar algumas postagens sobre esse assunto tão importante para a maioria das empresas, sejam públicas ou privadas.

Este primeiro post vou tentar resumir de forma bem geral o que entendo como Gerencia de Projetos, como guia uso as referências do livro de boas práticas, o principal livro de referência do PMI o PMBook versão 5.

A necessidade da gerencia de projeto nasce justamente da premissa do controle, da gestão, do acompanhamento, da estruturação de um plano e do que acontece durante sua execução, monitorando sistematicamente cada fase e em fim registrando o seu encerramento.
Ou seja, basicamente 5 grandes grupos de atividades:
1 – Iniciação
Onde o projeto é posto à prova, sobre o ponto de vista de viabilidade, descrevendo em um documento chamado Termo de Abertura os objetivos do projeto, um cronograma inicial e principais fontes motivadoras de sua existência, nesta fase também são identificados todos os envolvidos ou interessados no projeto.
2 – Planejamento
A fase de planejamento é basicamente onde o projeto será idealizado, onde nasce o plano de gerenciamento do escopo, cronograma, EAP etc., é onde se define todas as regras para serem usadas durante a execução do projeto, é definido como será tocado o projeto dos pontos de vista de Escopo, Tempo, Custos, Riscos, Qualidade, Recursos humanos e Comunicações.
3 – Execução
A fase de Execução é como o nome diz, pôr em prática tudo o que foi planejado. As equipes são mobilizadas, a qualidade é apurada, as aquisições são conduzidas, a equipe se desenvolve, a comunicação acontece de forma frequente e o próprio planejamento pode ser ajustado com base no andamento da execução.
4 – Monitoramento e Controle
Esta fase basicamente acompanha a execução e define se uma mudança no planejamento pode acontece e como vai acontecer, controlando o cronograma, o escopo, o trabalho, controla a comunicação, controla os riscos, aquisições e até mesmo o engajamento das partes interessadas.
5- Encerramento

Muitas vezes é onde a grande engrenagem é iniciada, pois como todo projeto se compõe de início, meio e fim, ao final do projeto podemos ter um produto finalizado ou transição para o início das atividades de um serviço de produção. Na fase de encerramento também se documentada as lições aprendidas e a conclusão de serviços contratados nas fases de aquisição.

quinta-feira, setembro 26, 2013

PLANO DE COMUNICAÇÃO COMO CHAVE PARA O SUCESSO

PLANO DE COMUNICAÇÃO COMO CHAVE PARA O SUCESSO

A comunicação é peça chave no desenvolvimento pessoal e empresarial, o plano de comunicação mostra de forma sistemática como aplicar regras ás necessidades de comunicação.


No meu breve estudo sobre comunicação, ficou bem clara a percepção de que
comunicação é realmente algo muito importante em empresas e na própria vida.
Levando o conhecimento direcionado a área empresarial, nada mais prática do
que um plano de comunicação. Sem muita experiência qual quer um diria que o plano
de comunicação já está implícito no próprio cronograma do projeto, mais mesmo o mais
ricos dos guias sobre projetos, o PMBOK, trata da comunicação como processos bem
definidos e fundamentais para outros processos do guia. O plano de comunicação nada
mais é do que um projeto para planejar a forma com vai ser fundamentada a
comunicação do projeto.
Como escreveu em seu famoso livro Gerenciando Pessoas, o guru Idalberto
Chiavenato deixa bem claro que nas organizações mais bem-sucedidas do mundo, a
comunicação recebe a máxima prioridade. E sem sombra de duvidas, todos nos já
passamos por problemas relacionados a falha de comunicação em nossos ambientes de
trabalho, e quantos milhões são perdidos, sejam em mal aproveitamento de tempo seja
em perdas financeiras pela falha no processo de comunicação?
O plano de comunicação visa aplicar uma sistemática, que deve ser cumprida a
risca, para o processo de comunicação, sendo formalmente elaborado por uma comissão
composta pelos responsáveis pelo projeto ou pela área da organização que não tenha um
processo de comunicação bem definido. Os ganhos com a aplicação da metodologia são
visíveis e imediatos, há que ser dada a devida importância à comunicação, pois ela é a
chave para o sucesso.